História

O primitivo Arraial de Posse, situado abaixo da confluência do Rio Prata com o Corrente, zona campestre de magníficas pastagens naturais, foi fundado, no início do século XIX, por imigrantes nordestinos que, fugindo das secas, vinham à procura de boas terras para o cultivo de cereais.

Nessa região, conhecida por Buenos Aires, em homenagem aos descendentes de argentinos, portugueses e uruguaios, cuja existência é lembrada pela denominação dos cursos d’água: Rios Corrente, Prata e Porto Buenos Aires; o pastoreio, o curral, a lavoura e o engenho constituíram as bases econômicas da povoação.

O impaludismo provocou a decadência do povoado, logo nos primeiros anos de sua fundação, e a consequente retirada dos habitantes para a zona da chapada, fronteiriça à Serra Geral ou das Araras, onde se formou o novo povoado de “Posse”, topônimo decorrente do “apoderamento” da área à margem do Córrego Passagem dos Gerais, pelos primitivos habitantes.

Nazário da Silva Ribeiro, o fundador, construiu inicialmente uma capela em louvor a Nossa Senhora Santana, em torno da qual foram surgindo várias moradas, e com o rápido desenvolvimento da indústria rural, agricultura e criação de gado, o povoado passou a distrito, pela Resolução Provincial nº 11, de 24 de novembro de 1855.

Sua autonomia municipal foi concedida, em 19 de julho de 1872, pela Resolução Provincial nº 485, com a nova denominação de “Nossa Senhora Santana de Posse”, mais tarde mudado para o topônimo original: POSSE.

O grande salto para o desenvolvimento de Posse foi dado com a inauguração da rodovia asfaltada BR-020, Brasília-Salvador, que passa pelo município, a partir dos fins da década de 1970.

Fonte: IBGE