Seminário de Policiamento Comunitário é realizado em Posse

Se faziam presentes além da alta cúpula militar, às autoridades Civis e eclesiásticas, se destacando o Presidente do Conselho Comunitário de Segurança Pública de Posse- Antônio Reovaldo Roncem, Ivan Carlos Brasileiro- Vice-Presidente do CONSEG, Alda Marques Souza Martins-Tesoureira do CONSEG, Dr. Renato Rodrigues de Oliveira-Delegado de Policia, a servidora pública Lilian Fabiana da Silva Rodrigues, na ocasião  representava o Prefeito Municipal Paulo Roberto Marques de Souza, o jornalista Adelmo de Paula-Representando o LIONS CLUBE de Posse, o Tenente Charles Xavier-Comandante do 3º PBM e demais autoridades.   
Nesse período os temas abordados foram: Policiamento Comunitário- Projeto POP Com e Cultura de Segurança, Procedimento Operacional Padrão-POP, Conselho Comunitário de Segurança-CONSEG e Direitos Humanos.
 

O cerimonial foi conduzido pelo subtenente Melchisedeck Almeida Campos Perez, relações pública da Corporação. O Seminário  foi aberto pelo TC PM Vitor Hugo, anfitrião do evento, saudando a todos e cobrando uma maior participação do seguimento organizado da sociedade nesta nova filosofia de policia comunitária implantada na cidade de Posse e Região, desmistificando a figura de bicho papão tida  pela sociedade em relação a  policia brasileira, como um estigma maldito deixado por herança pela ditadura militar.
 

O Comandante também citou a Atribuição Legal e Costumeira:
-Policiamento Ostensivo-Preventivo e Reservado-repressivo, além dos programas sociais a exemplo do PROERD- Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência nas unidades de ensino de todo o Estado.
Na ocasião foram apresentados os tenentes-coronéis; TC PM Luís de Jesus dos Santos- Subcomandante do 17º CRPM e o  TC PM Bonaldo Barbosa de Souza-Comandante do 24ºBPM- Batalhão Araras e na sequencia a apresentação do primeiro palestrante o Major PM Dakson Lima de Almeida, lotado em Águas Lindas de Goiás, cidade do Entorno do Distrito Federal, tida como uma das mais violentas cidade do Estado e do Brasil. A principio apesar das dificuldades internas e externas, a policia aos poucos se adequara as dificuldades de gestão da organização, particularmente para planejar, implementar, monitorar e avaliar uma mudança organizacional, que implica um certo grau de descentralização do comando, com a participação de policiais de todos os setores da organização e lideranças da comunidade em busca de excelência na prevenção do crime e da melhoria da segurança pública. No entanto, um conceito, pelo menos é necessário, para que se possa compreender melhor o seu alcance, citando o nome do Dr. e escritor Robert Trajonowicz, como quem definiu como uma filosofia e uma estratégia organizacional que proporciona uma nova parceria entre a população e a policia, baseada na premissa de que tanto a policia quanto a comunidade devem trabalhar juntos para identificar, priorizar e resolver problemas contemporâneos, como crimes, drogas, medos, desordens físicas, morais e até mesmo a decadência dos bairros, com o objetivo de melhorar a qualidade geral de vida na área.
 

“E assim abordamos quantas vezes for preciso o delinquente em busca de sua identificação pessoal e da comprovação dos bens encontrados ate se sentir incomodado e mudar de domicilio”. Concluiu o Major.  
Os demais palestrantes foram o Subtenente Valdivino Eterno da Silva, o Sargento Silveira, o representante dos CONSEGS, e o Promotor de Justiça- Dr. João Paulo Candido que abordou  o Tema: Direitos Humanos, com destaque para os tópicos Conduta Ética, Técnica e Legal, para Instituições Policiais Militares. ”Senhores policiais, civil e militar, como cidadãos e defensores dos direitos humanos e da sociedade, vocês tem por obrigação preservar vida, principalmente guando o infrator estiver mobilizado, levando-o o mais rápido possível a delegacia”. Disse o Promotor, ao se referir que não tolerara o abuso de poder e  que os Direitos Humanos não serve somente para os bandidos e sim para todos os bons policiais.
 

Passados os tempos em que as Policias Militares eram consideradas braço armado do Estado. Vivemos hoje uma nova realidade. No Estado Democrático de Direito, os policiais militares assumem o papel de parceiros da sociedade e de promotores dos direitos humanos. São verdadeiros agentes da cidadania. Relatou Dr. João Paulo em sua palestra.  
Por sua vez a Policia Militar se justifica ao dizer que o policial tem livre arbítrio em sua decisão e será penalizado se estiver em desacordo com o Procedimento Operacional Padrão-POP, que devera ser memorizado por cada um dos integrantes de suas fileiras que almejam promoção.

17º CRPM 
24º BPM-BATALHÃO ARARAS POSSE-GO

TELEFONES DE EMERGÊNCIA: 190 
TELEFONES ÚTEIS :

  • Sede do Batalhão: 3481-1221
  • COPOM: 9964-0732
  • Viaturas: 9930-9627/9930-9629
  • GPT: 9930-8109

“Estamos à sua disposição”

Confira algumas fotos do evento

Texto: Ivan Carlos Brasileiro